17 de junho de 2015 Por
5 Em Áustria/ Reflexões/ Viena

Somos todos jovens: o amor em qualquer idade

Em Viena a gente, praticamente, só anda de transporte público. O sistema é muito eficiente, mas se há de convir que nem sempre é agradável andar com um monte de gente, ser esmagado no vagão nos horários de pico, e ainda sentir o fedor que as pessoas exalam, especialmente no verão. Para nossa alegria, os trens mais novos já tem ar condicionado, o que torna a viagem um pouco mais agradável.

Claro que estou reclamando de barriga cheia. Eu sei que transporte público em muitos países do mundo é um caos, e aqui temos o privilégio de esperar 3 ou 4 minutos para a chegada do próximo trem e evitar apertos.

Pra aliviar o tédio durante meu trajeto, arranjei agora uma nova diversão. Quando não estou lendo, aproveito o momento para observar as pessoas e seus comportamentos. Confesso que tem sido bem interessante olhar mais cuidadosamente meus companheiros de viagem, nem que seja por instantes.

E não posso negar que é sempre difícil agrupar pessoas por idade. Meninas de 15 anos parecem ter 20; jovens de 40 parecem ter 30, e homens e mulheres maiores de 60 sempre trazem no rosto uma incógnita, ficando assim complicado adivinhar sua idade.

Na Áustria é estranho chamar qualquer um de idoso, já que pra mim essa expressão traz uma conotação pesada e fora de moda. Aqui as pessoas acima de 60 anos são superativas. As de 80 anos vivem num ritmo menos frenético, mas ainda esbanjam saúde e vitalidade. Não existem filas preferenciais para maiores de 60 e nem vaga de estacionamento para essa faixa etária. Com frequência conheço pessoas mais velhas que até parecem ser mais jovens devido ao seu espirito jovial.

Metro Essa semana vi uma linda cena no metrô e gostaria de compartilhar com você.

Um casal, com cabeça branca e com as marcas de expressão de já longos anos vividos, estava sentado à minha frente. Ela se despediu do seu amado com o selinho na boca e saiu do vagão. De repente olho para o lado de fora e a vejo aguardando a partida do trem para que carinhosamente pudesse acenar dando-lhe tchau e, ainda de quebra, mandar um beijo com o olhar apaixonado.

Ele, em contrapartida, acenou e também lhe enviou um beijo, retribuindo o carinho recebido. A atitude demonstrou o amor e a cumplicidade de um casal ainda apaixonado.

Eu, curiosa como sempre, não me contive, e já me intrometendo na vida alheia, não hesitei e logo perguntei ao senhor quantos anos de casados eles tinham. Vale lembrar que eu corria o risco de levar um fora, porque em Viena há um grau elevado de mau-humor, mas por ser verão acho que dei sorte, rs.

Mas ele, de um jeito bem singelo e educado, me disse que era sua segunda esposa. Quando ouvi aquilo, logo pensei que deveria ser um relacionamento de pouco tempo. Afinal, é raro ver casais cuidando tanto assim um do outro.

Em seguida, sua resposta me surpreendeu. Ele me disse que estavam casados há 35 anos e fez questão de enfatizar que o tempo passado foi muito bem vivido. Sorrimos, como quem compartilhava de uma boa noticia. A conversa durou um minuto, já que ele precisava partir para descer na sua estação.

Ele se despediu me dando um tchau e deixando a certeza que o amor pode e deve ser vivido em qualquer idade. E que se for pra ser, que seja cheio de carinho e demonstração de cuidado.

Fui trabalhar com mais esperança de que o mundo ainda tem bons exemplos. E pensando que a correria às vezes nos consome a ponto de deixarmos as pequenas gentilezas de lado, até que um dia a gente se dá conta de que o amor se perde em alguma estação qualquer e que nem sequer paramos para descer e buscar; quando vemos o trem já partiu.

Então, meu povo, bora viver o amor hoje. Afinal somos todos jovens e amor é para todos e em qualquer idade.

Lembrando que semana passada foi dia dos namorados então muito amor na vida real.

beijo pra você!!!

O conteúdo desse Blog pode ser reproduzido, desde que a fonte http://www.femmevolatil.com seja indicada.

Texto:Kely Martins Bauer

Revisão: Maria Lucia Castelo Branco

Foto: Kely Martins Bauer

kely Pelo Mundo

Veja também

5 Comentários

  • Reply
    Iana Martins
    22 de junho de 2015 at 11:08 pm

    E viva a vida!! Maravilhoso.
    Bjs,
    Iana

  • Reply
    LUIZ MARTINS
    22 de junho de 2015 at 11:37 pm

    Ha vida depois dos 60

  • Reply
    Claudinha
    26 de junho de 2015 at 7:47 am

    Oi, Kely! Achei seu blog agora e estou AMANDO!! Não consigo parar de ler! Moro na Holanda e estou começando com um blog agora, sou nova na área, mas me apaixonei pelo seu blog! Está de parabéns!

  • Deixe um comentário