1 de março de 2015 Por
0 Em Asia/ Reflexões/ Viagens

Diário de Bordo: 3. dia no norte de Israel. Descobrindo novas religiões

imageO destino do terceiro dia também foi o Norte de Israel. As curiosidades da terra já começaram logo cedo.

Depois de um gostoso café da manhã que até se parece com um almoço, seguimos para o norte do país por duas horas de carro no deserto “irrigado”.

Chegamos a Cesareia, uma cidade influenciada pelo império romano. O sítio arqueológico é enorme. As ruínas do lugar incluem teatro, hipódromo, palácio e o imponente aqueduto construído à beira-mar sobre o governo do Rei Herodes.

Cesareia foi um importante centro comercial e no século VI a.C., e depois do Império Romano na Palestina.

O teatro é o mais antigo de Israel, capaz de acomodar quatro mil pessoas. Ainda está ativo e proporcionando festivais.

Hoje em dia se apresentar nele é uma honra para o artista e reconhecimento da sua performance. Lá ainda vimos arenas e um hipódromo onde aconteciam lutas dos gladiadores.

A história da cidade é extremamente imponente. Na época, foi construído um porto de extrema importância para o lugar. Após a visita, a assistimos a um vídeo contando, em 15 minutos, toda a história de Cesareia.

Cesarea

Porto artificial construído por Herodes fazendo uso de concreto debaixo d´água. A técnica foi usada pela 1. vez aqui.

De lá fomos a Haifa, que fica no monte Carmelo. Lá visitamos o templo de uma religião cristã, que eu nunca tinha ouvido falar, chamada Bahai. Ela tem a sua origem no Irã, onde os seus seguidores se separaram da fé xiita muçulmana existente. O fundador, Baha’u’llah, foi exilado do seu país natal no final do século XIX, e veio para Akko (Acre) e Haifa. Eles possuem 5 milhões de seguidores no mundo é a sede é um lindo palácio com 9 lados, representando as religiões mais importantes do mundo.

A religião é uma mistura de um pouquinho de cada uma e aceita a todas reconhecendo, inclusive, Buda como um profeta. A base da religião é a unicidade de Deus, da humanidade e na igualdade entre todos os membros da família humana, ou seja, uma mistura de todas na crença de se tornar as pessoas melhores.

Em seguida, partimos para Acre, uma cidade que era extremamente pobre e que está melhorando a cada ano . Em 2001 foi reconhecido como patrimônio da Unesco, o que tem contribuído para o desenvolvimento do lugar.

Visitamos o mercado local e almoçamos o famoso e delicioso Hummus. A comida é super pesada podendo ser comparada ao nosso feijão e arroz.

imageDepois fomos para a cidadela ver as salas dos palácios do tempo das cruzadas.

Lembrando que Acre tem cerca de 5 mil anos, ou seja, já existia na era do Bronze e depois foi abandonada por mais de mil anos. Foi durante muitos anos a capital das cruzadas o que nos leva a imaginar as histórias de cavaleiros da época. O que resta da cidade das cruzadas, datando de 1104 a 1291 permanece quase intacto.

O lugar onde fica um palácio subterrâneo foi usado como prisão durante anos, até que escavações arqueológicas revelaram um complexo formado por vários salões interligados, parte de uma igreja gótica e uma grande sala de jantar, que hoje é possível alugar para promover eventos.

Simplesmente encantador.

Terminada a visita, fomos andar pela cidade. De repente  vi uma noiva vestida de preto, e eu curiosa como sempre, fui conversar com ela. Como ela não falava inglês, gentilmente seu noivo árabe me explicou que ela estava pronta para a despedida de solteira. Pena que não tive muito tempo pra conversar, mas numa próxima oportunidade vou descobrir os detalhes do ritual. 😊

Depois fomos ao Túnel dos Templários. A construção subterrânea ligava o castelo ao mar e era ponto estratégico, principalmente em tempos de guerra, sendo usado para transporte de mercadorias e suprimentos que chegavam de navio para dentro da fortaleza.

Finalizamos a visita e saímos em direção à fronteira com o Líbano para visitar a gruta Hosh Hanikra, formada há milhares de anos pelas ondas do mar. Para chegar até elas, usamos um mini teleférico que, em pouco minutos, nos leva ao precipício de 210 metros.

As suaves falésias brancas, o lindo mar azul e a combinação entre luz e sombra, fazem o lugar encantador. Podemos identificar nas falésias as patas de um elefante. 😍

Apaixonei!!!

Na fronteira entre Israel e Libano, também adorei ver de perto os soldados e escutar as estórias do país. Aqui os homens servem por 3 anos o exército e as mulheres 2. Eu cheguei a ver na estrada jovens mulheres uniformizadas, mas ainda não consegui fazer um bom registro.

E, assim, encerramos mais um dia incrível na terra santa. À noite, fomos jantar no Restaurante Galinha Azul. Depois conto detalhes dos costumes locais referente a comida.

Vamos às fotos? Desta vez exagerei!.

Beijos e até o próximo capitulo do diário de bordo em Israel.

image

Cesária e o quarto do Rei Herodes de frente para o mar. Delicia! também quero!

Pilastras do seu palácio.

vaso sanitário

Nosso Guia mandou a gente sentar para tirar a fotos. Depois nos explicou que o lugar era usado como banheiro, mais especificamente como vaso sanitário… Hahahah

Templo bahai

Jardins do templo Bahai. Fiquei impressionada com o lugar.

bahai

Entrada do templo Bahai

Vida no mercado

image

mercado

passeio no mercado e almocinho por lá

image

Fortaleza que serviu de prisão durante muitos anos

image

O salão ainda é usado para eventos. olha o Avi, meu anjo protetor de Israel.

image image image image image

image

Ruas de Acre. Muitos investidores querem comprar as casas mas a população não quer se desfazer da tradição familiar.

image

Próximo ao porto. O prédio está sendo renovado e será um hotel.

image

Mesquita em Acre

image

Pelas ruas

Acre

A cidade parece cenario de filme. Bem vazia!!!

image

Turistas judeus

image

Renovando.

 

image

Lá vem a noiva…. toda de preto ….

image

Costa próximo ao Líbano

descendo para ver as grutas

image

Por que o mar fascina tanto?

gruta

Dentro da gruta. Olha essa água maravilhosa. Me lembrou Capri.. putz lá venho eu com minhas comparações chatas

image

Olha a pata do elefante, fofo !

image

A pedra parece uma seda de tão suave.

fronteira

Na fronteira com o Líbano. Lá fui eu querer chegar pertinho. Rs.

 

 

 

 

kely Pelo Mundo

Veja também

Comentários

  • Reply
    zelia
    2 de março de 2015 at 3:29 am

    Lindas fotos

  • Deixe um comentário