27 de abril de 2014 Por
10 Em Frufru feminino/ Reflexões

Cabelo de vassoura de Bruxa?

vassoura de brucha“Aquela de cabelo de vassoura de bruxa”, foi assim que Faustão, o apresentador da televisão brasileira, se referiu ao cabelo de Arielle Macedo, uma das bailarinas da cantora de funk Anitta.

Não foi muito divulgado na mídia convencional, pois provavelmente passou desapercebido ou simplesmente como uma brincadeira … que ao meu ver de extremo mau gosto.

Está na hora de nós, brasileiros, pararmos de chamar cabelo enrolado de: bombril, cabelo ruim, palha de aço ou qualquer outra associação pejorativa!

Isso não é legal e não traz benefício algum. Muito pelo contrário, apenas denigre e ofende quem nasceu com os cabelos cacheados.vassoura de bruxa2

Ah! E avisa pro Faustão que cabelo de vassoura de bruxa é feito de piaçaba. Que nada mais é do que feito de fibra de palmeiras e ela é lisa, opaca, sem brilho e não cresce na cabeça de ninguém.

Quando falo aqui para os austríacos que o cabelo cacheado no Brasil ainda é visto como o de uma pessoa desleixada, eles não acreditam que haja tanto preconceito assim.

Muitas de nós, mulheres brasileiras, somos escravas da dita moda “elegante” e “nobre” e para ser aceita ou ser chic é preciso ter cabelo liso.

Isso porque sempre valorizamos o que vem de fora.  A maior parte das atrizes de Hollywood tem cabelo liso ou princesa européia também tem o  estereótipo de que cabelos loiros e lisos que no (in)consciente coletivo “representam” o requinte da nobreza.

Mas isto é balela!

Existem princesas negras, lindas, requintadas. Além disso, o cabelo encaracolado carrega em si uma história  forte e bonita dos valores que os negros deixaram como legado na nossa nação brasileira.

Precisamos deixar de ser racista e parar de desprezar e negar a nossa raça negra!

Preconceito- Pra que? se até quem se acha “branco puro” não é…

No final do ano passado, vi um vídeo de uma entrevistadora negra e americana, Trisha Goddard, informando ao vivo ao neonazista, Craig Coob, que seu exame de DNA comprova que ele possui 14% do sangue negro nas suas veias.

Em tom de ironia, ela disse ao preconceituoso: “ você tem um pouco de negro dentro de você”. A apresentadora não se conteve e levantou da sua cadeira e foi cumprimentá-lo com um “Hey Brou”. A notícia dada pela apresentadora e a sua atitude causaram risos e aprovação da platéia.

Se esse cara, um neonazista tolo que possui 86% do sangue europeu, não escapou da genética negra, minha dúvida agora é: quantos por centos o Faustão deve ter no sangue azul?

Então, gente! Pra que usar essas conotações pejorativas, especialmente se tratando de cabelos cacheados, como se ele tivesse menos valor que outro?

Um cabelo desidratado, liso, é feio e pode ser comparado a vassoura de piaçaba por isso? Não! um cabelo cacheado pode ser chamado de cabelo de bruxa porque simplesmente alguém não acha bonito ou quer fazer piadinha!? Também NÃO!

Isso é nada mais, nada menos, que ridículo!

Eu, particularmente, levei anos para amar meus cachos e confesso que ainda estou num processo de adaptação.

Na Áustria, o chic e nobre é ter cabelos como os meus: CACHEADOS, ENROLADOS, LIVRES!

Empress_Elisabeth_of_AustriaAqui poucas mulheres tem cabelos com volume.

Para quem gosta das histórias da nobreza, é bom saber que os cabelos encaracolados da princesa Sissi, arrancavam suspiros dentro e fora da corte. Ela gastava mais do que 4 horas por dia penteando as madeixas. Era uma mulher linda.

Naquela época, não tinha os cremes e as tecnologias de hoje e mesmo assim ela cuidava do que era seu.

Eu mesma já sofri demais com esse preconceito!

Quantas vezes deixei de ir à cachoeira, entrar nas piscina, pegar chuva, por causa da maldita escova e da necessidade de estar impecável?

Essa neura me acompanhou por quase 20 anos… acho que tempo suficiente para entender que isso era maluquice, imposta com mensagens até subliminares por uma sociedade hipócrita e medíocre, não é mesmo?

Mas com a ajuda de amigas e do meu marido, consegui deixar o medo de lado e deixar as madeixas ao vento.Foto-26

E pra minha surpresa…. só recebi elogios.

Analisando um pouco mais, percebi que meu marido, inclusive, faz carinho na minha cabeça apenas quando os fios estão naturais.

E quer saber um pouquinho mais? As mulheres européias “MORREM de inveja” de cabelos cacheados.rs. Admiram e  sonham com cabelos como os nossos.

As asiáticas mais ainda! Quando estive no oriente, meninas na rua pediram para tirar foto comigo e  algumas delas queriam saber o processo que tinha feito no cabelo para deixar cacheado. Eu com sorriso largo no rosto, disse que nasci assim. A cara de admiração delas foi sensacional.

Mas não foi sempre assim…

Lembro-me que quando criança, meus irmãos me chamavam de Bozo, o palhaço da televisão,  por ter um cabelo volumoso. Minha mãe sempre dizia para fazer coque ou então deixar o cabelo joãozinho. A cabeleira era grande e quase “indomável”.

Aos 18 anos, arranjei meu primeiro namorado.  Um gato lindo do olhos azuis, moreno de cabelo liso, 1.85 e forte… e adivinha o que ele mais gostava em mim? Meus cabelos cacheados.

Isso mesmo! Mas na época eu, insatisfeita com o volume, usei um tal de shampoo de cavalo para humanos. Meu cabelo caiu pela metade. Minha irmã me pegou pela mão e me levou ao salão.  O corte profundo foi inevitável.

O cabelo que antes era no meio das costas foi parar quase abaixo das orelhas…

Chorei porque sabia que ia ficar com o cabelo mais cheio e as piadinhas pejorativas seriam permanentes.

Mas a cabeleireira  fez uma escova lisa e eu, naquele dia, descobri que o meu cabelo enrolado me deixava triste.

Virei dependente.

Passei a ir ao salão duas vezes por semana e só vivia de cabelo liso. Já nem sabia o que era sair de cabelo natural. O namorado na época ficou triste com os cabelos alisados e eu me sentindo mais valorizada por outras pessoas.maria

Anos se passaram e o cabelo sempre foi um tema muito presente na minha vida. Só me sentia bonita de cabelo liso. Até que por agora há poucos meses, finalmente, superei essa trauma que estava enraizado na minha “cabeça”. rs.

Fico por vezes pensando: quantas pessoas gostariam de ter cabelo e que por circunstâncias ou porque a natureza não ajudou, não os tem?

Se liga Faustão!!! Existe coisas mais importante para se dizer de uma pessoa com cabelo cacheado ou não, do que as denegrir por suas madeixas.

Hoje, estou aprendendo com as blogueiras que resolveram deixar a química de lado e cuidar das madeixas.

Isso sim é um trabalho legal pra ser valorizado!

Parabéns às meninas que resolveram se amar com seu volume e com seus cachos e estão aprendendo e ensinando como valorizar o que é nosso e único, nosso cabelo.

Aqui na Áustria sigo fazendo “sucesso” e me amando.

Sou chamada de Sissi e todo mundo quer pegar na minha linda cabeleira.

Foto-29Estou  aprendendo a cuidar dos meus fios e me sentindo bela, mas o mais importante disso tudo, foi que aprendi que o meu valor não está na minha cabeleira ou nas minhas roupas e sim na minha essência, na minha cabeça.

O resto …. isso é só embalagem e essa você usa como quiser, porque o meu cabelo é bom e tudo mais  é apenas preconceito.

Um beijo e até a próxima.

 

Texto: Kely Martins Bauer / Revisão: Cinthia Stylianou

Imagens: Internet. Se alguma foto for sua e você deseja que ela seja creditada ou removida, por favor entre em contato. Iremos atender sua solicitação o mais breve possível. Obrigada.

kely Pelo Mundo

Veja também

10 Comentários

  • Reply
    aline leite
    27 de abril de 2014 at 8:41 pm

    Eu sofro com preconceito ate hj. Aqui no Brasil mulher linda e de cabelo liso. Com o cabelo cacheado e mal arrumada. Ah e existe outro apelido pro cabelo : bucha. Eu aqui estou lutando para me aceitarem do jeito q sou e amo. Confesso: escovo o cabelo para satisfazer os outros eu fico me sentindo uma outra pessoa sem meus cachos.

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      1 de maio de 2014 at 8:47 am

      Aline,
      Seja você enfrente esse preconceito e depois você vai ver a delicia que é ser só você.
      Um beijo
      K.

  • Reply
    Lucia Castelo Branco.
    27 de abril de 2014 at 9:05 pm

    Eu também sei o que é isso… Meus irmãos cantavam para mim: “nega do cabelo duro, qual é o pente que te penteia, qual é o pente que te penteia?” Chorei muito por causa disso, até o dia em que alguém me disse que eu tinha um cabelo “bandido” (bandido?): é, ao está preso ou está armado. Foi duro, mas resolvi assumir os meus cachos que agora, com os cabelos brancos e sem química, não querem mais se formar. Que pena!!!!!
    Muito bom o seu texto. Ah, e o Faustão não é parâmetro para ninguém!

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      1 de maio de 2014 at 8:46 am

      Isso mesmo, assumindo que somos a vida fica mais leve né?
      Bjs
      K.

  • Reply
    Iana Leite Martins
    28 de abril de 2014 at 2:31 pm

    Aqui no Brasil, as mulheres estão ficando mais autênticas. Somos um país de misturas, em todos os sentidos. Nossos passado histórico mostra isso bem claro, onde vieram desde as majestades até os escravos e se misturaram aos índios. Hoje temos uma beleza admirável por todos que passam pelo nosso país. Está mais do que na hora de definir mais nossa identidade e auto-estima.
    Também já saí da ditadura da escova.
    Tenho uma filha linda com cabelos maravilhosos, sedosos e brilhantes. Houve um tempo, na escola dela, que ela sofria por ter cachos, as amigas “de cabelos loiros” falavam que não iam ser amigas dela porque ela tem os cabelos cacheados. Fiquei pasma e vi que eu tinha ensinar a ela cuidar da auto estima dela. Ela é elogiada sempre pelos cabelos lindos que tem e aprendeu a dizer as amigas que não tem problema em ter cabelos cacheados porque afinal de contas todo mundo tem características diferentes e que se fossemos todos iguais, não teria graça nenhuma. E quanto às amigas, são todas amigas dela e ela está em todas na escola.
    Tenho também o cuidado de lembra-la que além de cabelos lindos, ela é linda, inteligente, esforçada e querida por todos.

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      1 de maio de 2014 at 8:45 am

      Que a sua filhota cresça sabendo do valor e da importância que ela tem nas nossas vidas. Bjs

  • Reply
    Delma
    28 de abril de 2014 at 4:34 pm

    Aqui no Brasil é uma verdadeira escravidão, não só dos cabelos que devem ser lisos para serem considerados bonitos, mas também loiros e mesclados. Além disso ainda tem que ser magro para ser considerado normal.
    O Faustão não só ridiculariza os cabelos encaracolados, como você bem disse, mas os gordinhos também. Tem as videocassetadas e ele sempre debocha dos gordinhos. E não pára por aí, sempre que tem uma oportunidade faz comentários maliciosos a respeito da aparência das pessoas.
    Voltando aos cabelos, os meus sempre foram lisos e desde criança minha mãe mandava encaracolar. Certa vez, depois de adulta, fui fazer a tal da permanente, a cabeleireira queimou meu cabelo todo, resultado tive que cortar bem curtinho e ir ao salão todas a vezes que lavava , pois ficou igual a Bombril. Depois dessa nunca mais quis encaracolar, é liso, pois que seja.
    Hoje as pessoas perguntam se faço progressiva, chapinha e coisa e tal. Ninguém mais diferencia entre o liso natural e o esticado, pode? Beijos

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      1 de maio de 2014 at 8:44 am

      que estória engraçada! Seus cabelos são lindos e você também Delma. Um beijo enorme

  • Reply
    Rosangela
    1 de maio de 2014 at 6:01 am

    Julgar pessoas pelos cabelos é uma hipocrisia. A beleza da pessoa está por dentro. Essa nossa sociedade atual escraviza as mulheres e nao as deixa ser NORMAIS. Sejam voces mesmas, com cabelo preto, loiro, castanho, vermelho, com cachos ou sem cachos ou até mesmo sem cabelos – nao deem valor a tanta pobreza de espírito, pois esse consumismo que virou nossa sociedade fez com que as pessoas perdessem o marco essencial da vida que é a humildade. Ergam suas cabecas e sejam quem sao… e que se dane o “resto” – porque lugar de “resto” é no lixo.

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      1 de maio de 2014 at 8:43 am

      Isso mesmo Rosangela, que essa consciência se espalhe.
      Obrigada por prestigiar o Blog.
      Beijos

    Deixe um comentário