9 de março de 2014 Por
8 Em Frufru feminino/ Reflexões

Banco


banco2

Quando cheguei em Viena era meados de fevereiro de 2006 e muita neve na cidade… e eu lá encantada com tudo.

Em março, o sol apareceu e havia muita gente pelas praças e parques. Muitas delas estavam sentadas nos bancos contemplando o sol.

Eu, rápida no meu julgar, achei tudo aquilo muito estranho, afinal estávamos com dois graus positivos e naquela época isso era muitooooo frio para mim.

Naquele dia nem consegui aproveitar o dia ensolarado. Tomar sorvete então, nem pensar! Meus parâmetros eram outros…

O banco Os anos se passaram e no final do inverno, com os primeiros raios de sol, quem estava sentadinha no banco ou contemplando o sol no meio da rua mesmo? Exato! Euzinha…

Aprendi uma lição: certas coisas na vida a gente não entende a intensidade e as dificuldades até que passemos por ela.

Por isso essa é a minha oração: Deus me guarde e me ensine a ser tardia em julgar e rápida em compreender

Texto: Kely Martins Bauer  / Revisão: Cinthia Stylianou

kely Pelo Mundo

Veja também

8 Comentários

  • Reply
    Marco Tulio Chaves
    11 de março de 2014 at 5:20 pm

    Tô gostando!! Parabéns pela iniciativa!

    Bj

  • Reply
    Paulo Castelo Branco
    11 de março de 2014 at 7:10 pm

    Miss K. Gostei muito do seu estilo. Serei leitor assíduo.

  • Reply
    Bernadete
    25 de março de 2014 at 1:59 am

    Olá Kely, estou gostando, é isso mesmo, precisamos sim fazer preces para nos fortalecer principalmente no quesito julgamento.

    • Reply
      Kely Martins Bauer
      6 de abril de 2014 at 1:09 pm

      Tia,
      como é dificil não julgar né?
      Uma tarefa diária.
      Beijos
      K.

  • Reply
    Lucia Castelo Branco.
    7 de abril de 2014 at 5:25 pm

    Ler os seus textos é uma alegria infinda. Beijos.

  • Deixe um comentário