14 de fevereiro de 2015 Por
0 Em Reflexões

A doce menina

 

menina dos olhos azuis Ela é bem romântica e vê as coisas de um lado extremamente positivo.

Até  mesmo suas lutas são descritas, por ela mesma, como algo que a faz melhor.

Sua revolta é doce.

Suave no seu tom ao se expressar, ela deixa claro que a sua leveza não tem nada a ver com tolice.

Ás vezes angustiada e medrosa, ainda mostra nas suas atitudes, as marcas da infância castigada pela difícil condição financeira da família e volta e meia expõe as cicatrizes  dos pequenos/grandes abandonos.

A penosa experiência no passado a fez forte para enfrentar a vida e vítima para enfrentar o mundo.

Uma contradição. Mas é exatamente isso que a faz expandir diariamente para sair do papel de vítima para (quase que) uma heroína, que vence a si mesma.

Os anos se passaram, como um piscar de olhos, e  a vida lhe deu a oportunidade de experimentar um novo mundo. Mudou de país, enfrentou muitas diversidade e decidiu tomar a única decisão que não pode mudar.

Ela virou mãe.

Entendeu o seu sentido. Se sente maior e mais forte. Mas ainda luta com seus monstros, agora porém com a certeza que eles diminuirão a medida que ela cresce.

Sua filha branca de olhos azuis a fez perceber, entender e aceitar  sua pele negra.

Teve que confrontar a si mesma. Lançar mão do seu próprio preconceito e se amar. Sem dúvida nenhuma a grande heroína, de si mesma, voltou.

O monstro diminuiu e menina cresceu!

 

 

 

kely Pelo Mundo

Veja também

Comentários

Deixe um comentário